aromaterapia-marketing-olfativo

Explicar uma fragrância é dizer o que se sente. Somos a expressão dos nossos sentimentos. Muitas empresas têm a missão de proporcionar experiências inesquecíveis aos clientes, através de produtos e consumo de maior qualidade.

A missão do Marketing Olfativo é entregar a essas empresas uma comunicação sensorial e sinestésica que permita aos consumidores sentir mais emoção, alegria, prazer, romance e bem-estar. O trabalho é orientado pela ativação dos sentidos, aplicando fragrâncias e despertando sentimentos.

Perfumes podem ser percebidos sem ao menos serem vistos. Ao sentirmos uma fragrância, é formado um conjunto de imagens em nosso inconsciente, imagens e sensações de quando a encontramos pela primeira vez. Ao se criar uma atmosfera agradável com perfumes, antigas experiências ou novos universos se manifestam de forma sutil.

O Marketing Olfativo traz ao varejo o recurso de merchandising, um trabalho que consiste em utilizar fragrâncias como comunicação da marca. Possui equipamentos eletrônicos com sistema de aromatização para diferentes tipos de ambientes. Uma tecnologia de alta performance e de fácil aplicação. Produtos customizados com opção de desenvolvimento, consultoria e Criação de Fragrâncias para uso exclusivo da marca. Ampla rede de atendimento no país, presente em dezenas de cidades.

curso-yoga-massagem-ayurvedica

A Yoga Massagem Ayurvédica (YMA), é uma terapia corporal que tem como precursora a milenar arte da Massagem Ayurvédica tradicional, uma parte integrante do sistema de medicina tradicional indiana .Desenvolvida pela mestra indiana Kusum Modak, esta terapia tem  também como fundamento os movimentos do Yengar Yoga. Ayur (vida) Veda (ciência), ciência da vida e Yoga (união).

curso-yoga-massagem-ayurvedica

Mestra Kusum Modak, uma mulher forte, trabalhadora, corajosa em um universo em que as mulheres tinham pouquíssimo espaço para se manifestarem criou o método terapêutico que revolucionou a massagem no mundo todo. Aos 40 anos, conheceu o mestre de Yoga Bks Yengar, com quem aprendeu e praticou yoga durante 20 anos, como uma discípula dedicada. Seu segundo encontro importante, foi com o mestre Limaye, um homem simples, porém grande conhecedor das artes da massagem. Com quem aprendeu e acompanhou diariamente seu trabalho diariamente durante um ano e meio, podendo presenciar incríveis processos de cura em pessoas doentes, que já haviam passado pelos mais diversos tratamentos sem obterem êxito. Mestra Kusum, já formou direta e indiretamente milhares de terapeutas do mundo todo. Pois esse conhecimento tão valioso continua sendo multiplicado, beneficiando a todos os terapeutas e pacientes que buscam por essa terapia.

A YMA é realizada no solo (tatame ou colchonete), onde o terapeuta se posiciona cuidadosamente em diversas posturas, para realização de deslizamentos lentos e profundos, manobras e trações seguidas por movimentos inspirados no Yoga. São utilizados óleo vegetal e pó, que aquece as articulações para os alongamentos.

yoga-massagem-ayurvedica-priscila-moura

É uma massagem em que o paciente fica presente e conectado às suas sensações o tempo todo. Respiração, toque e movimento se harmonizam. Um trabalho em que o terapeuta manifesta força e fluidez ao mesmo tempo, com absoluta presença e dedicação.

massagem-ayurvedica

Os benefícios da YMA são inúmeros, citando melhor funcionamento nos sistemas cardiovascular e linfático e digestório. Promove relaxamento muscular, lubrifica as articulações, fortalece o sistema imunológico, eliminando toxinas e prevenindo doenças. Amplia a consciência corporal, melhora a respiração, combatendo stress, ansiedade, desequilíbrio hormonal e insônia. Fortalece a coluna, melhorando a postura, traz maior flexibilidade, concentração, tranquiliza a mente e fortalece a alma.

Liberação-Miofascial

A liberação miofascial é uma técnica muito utilizada na fisioterapia, que busca relaxar a musculatura e distensionar as fáscias. Geralmente é utilizada em atletas e em diversas patologias como retrações musculares, contraturas, tensionamento local, dores musculares crônicas, fibromialgia, etc.  No entanto, está cada vez mais comum seu uso em praticantes de musculação pelo fato de promover mais liberdade de movimentos e aumentar a capacidade de expansão muscular, no caso da hipertrofia.

Vamos entender um pouco mais sobre o assunto: o termo miofascial significa “mio: músculo, fascial – fáscia: tecido conectivo = fáscia muscular”. A fáscia é uma espécie de membrana formada por tecido conjuntivo que recobre cada fibra muscular, cada músculo e também toda a superfície do conjunto muscular, sendo encontrada em diversas extensões, espessuras e densidades em nosso corpo, permitindo que a função corporal em geral seja bem executada, fornecendo juntamente sustentação aos tecidos, proteção, coordenação e impedindo que ocorra o atrito entre os músculos.

O encontro final das fáscias ou um conjunto de fáscias formam os tendões, fornecendo suporte e tração adequada entre o osso e a musculatura, e tendo grande influência no desempenho das funções das estruturas musculares.

“as fáscias também são sempre interligadas uma na outra, havendo uma continuidade entre elas, sendo assim, seja qual for o tipo de alteração na tensão em qualquer parte da sua extensão, será repercutido no conjunto, afetando de forma global o nosso corpo. ” Esse fato também explica, por exemplo, juntamente com o sistema nervoso, a dor por irradiação, ou a dor crônica global.

Atividades da rotina, posturas inadequadas por grandes períodos de tempo, alterações posturais instaladas, fatores ocupacionais, o efeito da gravidade sobre o nosso corpo, tensões do dia-a-dia, questões emocionais, overtraining, sedentarismo, lesões e intercorrências musculares ou mesmo ósseas, entre outros acometimentos que poderão gerar contraturas, pontos gatilho (pontos tensionados e dolorosos ao toque, que reverberam em toda extensão próxima), retrações musculares (que podem originar tendinopatias), fibromialgia, síndrome da dor miofascial, cansaço excessivo, envelhecimento precoce, estresse, ansiedade, dores crônicas globais, etc.

Benefícios da Liberação Miofascial:

– Alívio de dores (crônicas, tensionais, pós treino, patológicas, etc.)

–  Relaxamento muscular

–  Maior mobilidade articular,

–  Mais liberdade na execução dos movimentos

–  Melhora na capacidade de contração muscular

– Melhora na disposição

– Mais flexibilidade, elasticidade e agilidade

– Prevenção de lesões e doenças musculares crônicas

– Melhor desempenho na hipertrofia, definição muscular e emagrecimento

– Para atletas, temos  melhora de rendimento

– Maior facilidade na nutrição muscular, acelerando a remoção de metabólitos

– Melhora da *propriocepção e consciência corporal

* capacidade em reconhecer a localização espacial do corpo, sua posição e orientação, a força exercida pelos músculos e a posição de cada parte do corpo em relação às demais.

yoga-massagem-ayurvedica

massagem-ayurveda-

Você sabe o que é Yoga?

É uma arte milenar, mas somente agora, o ocidente começou a perceber que não é uma prática de deslumbrados, mas sim, uma ciência altamente avançada, que os cientistas estão descobrindo. Fonte de inspiração e conhecimento dos filósofos gregos, da Teosofia, Rosa Cruz e outros muitos. A física quântica é a afirmação dos conhecimentos antigos dos yogues.

Indicado pela medicina, para problemas físicos e psíquicos, com resultados de cura incríveis. Os conceitos de respiração e das práticas corporais do Yoga que curam distúrbios de ordem física e psíquica são utilizados na fonoaudiologia, canto, psicologia, antiginástica, bioenergética, RPG, pilates, além de esportes como surf e mergulho.

Modalidades de Yoga: Descubra a sua prática ideal

Todas as modalidades, têm como base o Yoga Clássico, portanto, independente do tipo, o princípio é único: Proporcionar união, eutonia, harmonia, paz e felicidade nas pessoas.
É responsabilidade do professor, não desvincular a prática de yoga de sua riqueza filosófica, que pode ajudar qualquer pessoa a perceber a vida com mais profundidade. E isso pode ser feito sem dogmatismos, com leveza e naturalidade.

Alguns tipos de Yoga:

o-que-e-yoga

Hatha-Yoga (Clássico) – Sem impacto e repetição, ou seja, sem danos ou desgaste da coluna, das articulações e músculos. Permitindo a qualquer pessoa em qualquer idade praticá-lo. Favorável para uma pessoa em reabilitação ou um atleta.

Sistema Integrado, onde o emocional, mental, etéreo e o físico são trabalhados em conjunto. Balanceamento constante da força, alongamento e chacras. Essa formulação resulta nos incomparáveis benefícios do yoga na área psíquica e física. Colaborando na melhora desde depressão, insônia, ansiedade, distúrbios de aprendizado, até fibromialgia, tendinite, enxaqueca e problemas de coluna.
Uma característica única do yoga é a permanência (imobilidade) durante a prática das posturas (ásanas) resultando em:

– Auto-observação, permitindo o acesso aos impedimentos, bloqueios, gerados em nossa existência, reconhecendo-os e favorecendo a sua possível dissolução.

– Autoconhecimento profundo e estabilidade, física, energética e psíquica.

– Ampliação do esforço físico, constituindo ao trabalho muscular um vigor intenso e consciente. Como resultado um desenvolvimento superior a qualquer condicionamento físico, anulando qualquer dano por esforço repetitivo.

Aerial – 
Como é: usam-se faixas de tecido presas no teto para realizar as posturas. Algumas ficam mais fáceis, mas outras, simples de realizar no solo, tornam-se mais desafiadoras.
Atrativo: o tom lúdico e a possibilidade de realizar posturas de cabeça para baixo sem comprimir pescoço e coluna.
Desafio: vencer o medo de ficar de cabeça para baixo, usar a força dos braços para sustentar o corpo e, principalmente, respirar enquanto realiza os movimentos.

Ashtanga Vinyasa
 – Como é: desenvolvido por Sri K. Pattabhi Jois, tem quatro séries de posturas. Repete-se a mesma sequência até a evolução para a série seguinte. As aulas começam com surya namaskar (saudação ao sol).
Atrativo: interessa a pessoas dinâmicas que gostam de atividade vigorosa, enquanto o controle respiratório provoca grande aquietamento mental.
Desafio: o controle da respiração, que guia o movimento.

Ashtanga Power
 – Como é: deriva do ashtanga vinyasa porque preserva a sintonia da respiração com o movimento de modo encadeado, mas não se compromete com uma sequência fixa de posturas. Similar a esse estilo é o vinyasa flow (cujo encadeamento lembra uma dança).
Atrativo: a intensidade melhora a forma física, removendo gorduras em excesso e combatendo a flacidez.
Desafio: conservar a atenção plena — aliás, desafio em qualquer estilo.

Bikram – 
Como é: difundido por Bikram Choudhury, é provavelmente o estilo mais recente ao chegar ao Brasil. São 26 posturas praticadas numa sequência definida, em sala aquecida entre 37°C e 43°C. É controverso, professores de linhas tradicionais o consideram um modismo.
Atrativo: o ambiente aquecido promove maior flexibilidade muscular. A promessa de perda de calorias aumenta o interesse.
Desafio: exige dos praticantes vigor, preparo físico e tolerância ao calor.

Satyananda – 
Como é: início com mantras seguidos de posturas e técnicas respiratórias, relaxamento e meditação.
Atrativo: especialmente pela prática de relaxamento profundo, o Yoga Nidra, que libera tensões mentais e emocionais.
Desafio: manter a regularidade da prática para desenvolver e ampliar seus benefícios.

Iyengar – 
Como é: estilo baseado nos ensinamentos de B. K. S. Iyengar. Usa acessórios como blocos, cintos, cobertores, almofadas, cadeiras e a própria parede. Leva em conta a técnica, o sequenciamento das posturas e o tempo de permanência.
Atrativo: experienciar o alinhamento mais correto do corpo, não importando o nível ou a condição do praticante. O estilo também tem cunho terapêutico. O uso dos acessórios possibilita que a intensidade das posturas seja gradual.
Desafio: manter juntas todas as ações de alinhamento, a fim de experimentar a postura correta, limpa e encontrar conforto nela.

Kundalini – 
Como é: o foco não é a realização de posturas, embora faça parte. Possui técnicas específicas de respiração (pranayamas), contrações corporais (bhandas), sequência de exercícios (kriyas), posturas (ásanas), posição das mãos, braços e dedos (mudras), entoação de sons (mantras) e meditação. Trabalha com os chakras, os centros energéticos do corpo.
Atrativo: aumento da vitalidade e da criatividade, e diminuição da ansiedade e do estresse.
Desafio: a parte meditativa. Embora algumas propostas de meditação sejam bem ativas, é o maior desafio para os ocidentais.

Yoga Restaurativo – 
Como é: elaborado por Judith Lasater, utiliza posturas de yoga ajustadas com acessórios (mantas, cobertores, almofadas, cintas) para dar sustentação ao corpo. A técnica promete o mínimo de esforço e o máximo de conforto.
Atrativo: proposta de aconchego, de carinho, de bem-estar.
Desafio: realmente desligar-se e permitir o mergulho interior.

E tem yoga sem posturas físicas?

Sim. E talvez as práticas de Bhakti Yoga sejam as mais presentes no imaginário dos leigos. Os outros três caminhos são Karma Yoga (caminho da ação desinteressada, doação), Jnana Yoga (caminho do conhecimento) e Raja Yoga (caminho do controle da mente, ao qual se associa o Hatha Yoga).

 

Bhakti – É o yoga da devoção, com cantos ou mantras (os chamados kirtans) e rituais (os pujas, por exemplo).
Em geral, o foco de devoção são as deidades da mitologia Hindu, como Shiva, Krishna, Saraswati, Durga, Rama, mas também pode ser feito com as religiões ocidentais, utilizando Jesus. Os participantes oferecem flores e banhos à deidade.
Quando feitos com instrumen

tos indianos e reunindo várias pessoas, os kirtans geram uma energia muito poderosa, levando à transcendência da mente.

Além dessas modalidades, existem ainda várias outras. Recomendo conhecer algumas delas e sentir qual melhor se adapta ao seu perfil.

Agende uma aula experimental comigo: sinta e saiba mais.

poder-sinestesia

Sinestesia  um Superpoder, com a utilidade de memorizar informações com maior facilidade por meio de associação, dando mais de um sentido ao mesmo estímulo.

A frequência é de 4% da população, segundo pesquisas de Oxford.

Sinestesia é uma característica genética herdada dos pais que faz com que um ser humano experimente mais de uma sensação com base no mesmo estímulo. Sons e vozes podem ganhar cores, aromas e sabores, palavras e números podem ganhar até personalidade. Fruto de um cérebro um pouco diferenciado.

Mecanismos associativos são frequentemente utilizados pelos sinestésicos, ajudando-os a se lembrarem de coisas importantes. Por exemplo, se lembrar de uma música, aroma ou cor na hora de uma prova, pode ser muito relevante para se obter sucesso.

Abhyanga

A Massagem Abhyanga faz parte do sistema Ayurveda (ayur =vida, veda =sabedoria), que é a medicina tradicional indiana, diferente da Yoga Massagem Ayurvédica, que é realizada em um outro contexto terapêutico.  Uma massagem deliciosa de se receber, sendo extremamente relaxante e calmante.

Quando se fala em terapia ayurvédica, sabe-se que as massagens são feitas com muito mais óleo do que em uma massagem tradicional. O conceito abhyanga significa olear, espalhar óleo, untar, aplicação de medicamento. É uma terapia de snehana (oleação) que pode ser traduzida por óleo, mas também por carinho e afeto. É a massagem mais utilizada nos tratamentos ayurvédicos, sendo base para todas as outras e realizada quase sempre antes de outras modalidades.

O abhyanga é uma oleação feita com óleo aquecido escolhido de acordo com o biotipo (dosha) do paciente, sendo que o tempo, o ritmo e a pressão também seguem este conceito. Durante o tratamento todos os pontos (marmas),  são manipulados com a função de mobilizar toxinas para que elas sejam eliminadas e leves alongamentos são realizados com a mesma função.

A Ayurveda tem uma abordagem diferente da massoterapia que, utiliza as manobras principalmente com fins de relaxamento muscular e emocional. A massagem é a principal ferramenta terapêutica nos tratamentos ayurvédicos pois é através dela que as toxinas são mobilizadas pelo organismo e o maior órgão do corpo humano, a pele, é utilizado como via de absorção das ervas medicinais contidas nos óleos preparados.

Benefícios da Abhyanga:

–  Promoção de um profundo relaxamento e bem-estar

– Absorção de óleo medicado pela pele

– Mobilização de toxinas (ama): para ayurveda, as toxinas se manifestam através de ama, uma substância tóxica e pegajosa que gruda nos tecidos do corpo como um chiclé. Para remover ama do corpo deve-se fazer com que ela retorne para seu local de origem – o sistema digestivo, para que possa ser digerida e eliminada do corpo. Neste caso, o óleo e os movimentos da massagem é que fazem com que as toxinas se desprendam dos tecidos.

– Ativação dos pontos de reflexologia estimulando os marmas..

– Desbloqueio de canais físicos (srotas) e canais sutis (nadis)

Indicações da Abhyanga:

– Como Purva Karma – preparação do Panchakarma (cinco processos de desintoxicação profunda que tem o objetivo de eliminar o dosha em excesso que está causando doença).

Como terapia de Shamana (mais suave, não invasiva)  ou pacificação do dosha desequilibrado.

– Como terapia de tonificação e rejuvenescimento (rasayana). Assim como as massagens sistêmicas, o abhyanga promove uma maior oxigenação dos tecidos do corpo. Para a ayurveda, prana, a energia vital é carregada pelo oxigênio em nossa corrente sanguínea e o abhyanga aumenta a concentração desta energia vital no corpo.

– Como terapia anti-vata ou para reduzir o dosha Vata

Contraindicada em casos de febre, diarréia, excesso de toxinas, diarréia, indigestão, intoxicação alimentar, logo após refeições e menstruação.

Abhyanga é uma prática excelente para todos os doshas, mas é diferente para cada um: um abhyanga para vata deve ser lento, com toque e manobras firmes e óleo em abundância de qualidade quente; pitta requer um óleo frio como o de côco, um toque constante e ritmo moderado. O abhyanga em Kapha deve ser com manobras vigorosas e profundas, com pouco óleo e rápida.

Óleos para Vata: pesados e quentes

Gergelim

Rícino

Buriti

Dendê

Avelã

Castanha do pará

Ghee

Óleos para Pitta: leves e frios

Côco

Oliva

Semente de uva

Abacate

Girassol

Palmiste

Açafrão (cúrcuma)

Óleos para kapha: leves, quentes e adstringentes

Mostarda

Linhaça

Milho

Papoula

andiroba

Receber Abhyanga é uma terapia de auto-conhecimento. Quando somos tocados em regiões que geralmente nos passam despercebidas, passamos pela experiência de  novas sensações de dor e prazer. O toque traz atenção e presença para o momento e por consequência o auto-conhecimento do corpo.

Sinestesia: canais de percepção sensorial

Na comunicação interpessoal existem basicamente três canais de percepção sensorial que afetam diretamente como a sinestesia é manifestada:

– Visual,

– Auditivo e

– Cinestésico (Sinestésico)

Normalmente as pessoas possuem um dos canais que são preferenciais, ou mais impactantes, em sua vida, alguns, de forma mais rara, conseguem equilibrar bem todos esses canais.

Sinestesia: significado e diferenças com Cinestesia

Porém existe bastante polêmica e discussão sobre a diferença entre a sinestesiae cinestesia. Vamos então dar o devido significado de palavras da língua portuguesa quanto a sinestesia como cinestesia, que mesmo num dicionário português online você não encontraria, menos ainda num dicionário inglês português:

Cinestesia significado:

  • O Cinestésico tem a ver com a percepção dos movimentos corporais ou musculares. Uma pessoa cinestésica centra suas experiências nas demonstrações físicas, por exemplo, ao se comunicarem precisam tocar o seu ouvinte. O cinestésico-corporal, processa melhor a informação através do movimento e também do toque, e aprende melhor movimentando-se, tocando ou mexendo nas coisas.

Sinestesia significado:

  • O Sinestésico tem a ver com aquele que é “sensorial”, ou seja, aquele que é capaz de fundir, ou misturar, diferentes sentidos humanos. Exemplos de sinestesia: algumas pessoas sinestésicas conseguem ouvir um movimento visual (audição + visão), conseguem sentir cheiro ou gosto de uma imagem visual (olfato ou paladar + visão), outros ainda conseguem visualizar cores ao ouvir uma música (visão + audição).

Portanto podemos dizer que um Cinestésico é também, de certa forma, um Sinestésico, porque o Cinestésico aprende melhor através do toque, por meio do contato humano ele consegue ouvir melhor a informação (tato + audição). Isso é um exemplo de mesclar diferentes sentidos, que ocorrem tipicamente com Sinestésicos.

Sinestesia: exemplos

Vamos dentro dessas definições apresentar, dentro da temática de sinestesia, exemplos práticos. O vídeo abaixo é um teste para ver se você é predominantemente sinestésico. Ao ver o vídeo, quem tem sinestesia conseguem “ouvir” os movimentos visuais !! Ou seja, conseguem captar um som que outros não ouvem, tipo um som de respiração de fundo, um chiado ou algo parecido (embora não exista som real algum !!). Você tem sinestesia ? Comente com a gente.

Que tipo de pessoa você é? Visual, cinestésica ou auditiva?

É possível apresentar características de cada uma das dimensões, mas podemos nos identificar com alguma delas em particular. Nossa forma de ser está muito relacionada aos nossos sentidos.

Como todos sabem, o ser humano dispõe de cinco sentidos que permitem nosso relacionamento com o mundo que nos rodeia: olfato, paladar, tato, visão e audição. Mas, geralmente, cada um de nós utiliza um ou dois sentidos mais que os outros para interagir com o meio e tirar dele informações. Que tal saber um pouco mais sobre quais são os sentidos que se destacam em você?

Como você se relaciona com o mundo?

Uma teoria enunciada pela corrente da Programação Neurolinguística, nos diz que o mundo em que vivemos é percebido de maneira diferente por cada pessoa. Cada um de nós o capta através desses sentidos, que utilizamos com mais frequência segundo nossa personalidade.

É uma perspectiva curiosa, que vale a pena considerar para que nos conheçamos um pouco melhor. É possível que você mesmo utilize mais de um dos cinco sentidos, ou inclusive, dois deles com mais frequência. É curioso saber que essa perspectiva também tem a ver com nossa predominância cerebral, ou seja, existem pessoas que utilizam mais o lado esquerdo do cérebro, por exemplo, e têm mais tendência a utilizarem a lógica e serem obsessivas por ordem.

/

Por sua vez, pessoas que utilizam mais o lado direito do cérebro são mais criativas, flexíveis e inovadoras. A psicologia neurolinguística se preocupa dessas áreas com a finalidade de averiguar como interpretamos as pessoas e o mundo que nos rodeia. Então, você quer saber qual é sua tendência natural? Vamos lá! Descubra se você é uma pessoa visual, cinestésica ou auditiva.

  1. Pessoas visuais

Você é aquele tipo de pessoa que quando lê ou estuda precisa de silencio absoluto? É muito comum, por exemplo, que pessoas com maior predominância visual precisem de silencio quando querem se concentrar.

Algumas pessoas também gostam de colocar uma música enquanto dirigem, porque se sentem mais relaxadas, mas quando querem procurar por uma rua ou um lugar específico precisem de mais atenção e então decidam desligar o som para ficarem mais tranquilas e concentradas.

São pessoas com muita energia e extremamente observadoras. Apreciam os detalhes das coisas e poucos aspectos lhes passam em branco. Na hora de memorizar sentem mais facilidade em se lembrarem de imagem, por isso precisam de notas que funcionam como um pequeno apoio. Gostam de parques ou bosques para se sentirem relaxadas e prezam muito pela tranquilidade.

  1. Pessoas auditivas

Ou você é do tipo de pessoa que costuma expressar seus sentimentos em voz alta? Às vezes os outros se surpreendem com essa curiosa mania, mas na realidade muitas pessoas são assim. Verbalizam, falam consigo mesmas e assim, desabafam.

Também é comum que pessoas com um perfil auditivo gostem de escutar as outras pessoas, é assim, por exemplo, que conseguem memorizar e reter mais informações: escutam as pessoas em voz alta, quase nunca escrevem.

Também são pessoas de personalidade muito expressiva e com grandes dotes de comunicação. Sabem se expressar muito bem e gostam de escutar aos demais. Nada lhes escapa, podem ser capazes de seguir uma conversa ao mesmo tempo em que escutam uma música. Podem fazer várias coisas ao mesmo tempo, diferente daquelas pessoas que são visuais, e que em alguns momentos é difícil se concentrarem caso haja muitos estímulos no ambiente.

  1. Pessoas Cinestésicas

Quais são seus hobbies? Gosta de trabalhos manuais? Cozinhar? Construir coisas com as mãos? Trabalhar ao ar livre? Manter um jardim bonito, cultivar, fazer as coisas crescerem com as mãos? É daquelas pessoas que gostam de praticar esportes?  Então o mais provável é que você seja uma pessoa Cinestésica.

A psicologia neurolinguística demonstra que pessoas sinestésicas, apesar de serem tranquilas, têm um gosto especial por emoções e tudo aquilo que esteja relacionado com coisas físicas e manuais. São pessoas que gostam de experimentar coisas sozinhas, antes de contá-las aos outros.

Sua expressividade se traduz no gosto por abraçar, acariciar e inclusive comer. São pessoas de intimidade que, geralmente, não costumam ter muito interesse em captar detalhes do que as rodeia como são as pessoas visuais, por exemplo. São mais espontâneas e menos introspectivas ou observadoras.

Podemos concluir dizendo que é possível que apresentemos uma porcentagem de cada uma dessas dimensões. Isso é normal, mas o mais certo é que cada um se identifique mais com alguma delas. As visuais são, por exemplo, um pouco mais relaxadas do que as auditivas ou as cinestésicas. Porém, as cinestésicas são um pouco mais inquietas e menos reflexivas.

Está claro que todos dispomos de algumas pinceladas de cada característica, mas o interessante dentro da perspectiva da psicologia neurolinguística é que nos oferece um prisma de como entendemos a realidade que nos cerca.

E, como é possível perceber, essas características estão ao mesmo tempo relacionadas com nossa personalidade, se somos mais tranquilos ou mais nervosos, mais reflexivos ou irreflexivos, se gostamos de nos comunicar ou se somos mais observadores, ou ainda, algo introspectivos.

Nossa forma de ser está intimamente ligada aos nossos sentidos, ao prazer de ver, tocar, experimentar, de nos comunicarmos.

Compartilhe comigo. Como você se comunica com o mundo ao seu redor? Você se identifica como uma pessoa visual, auditiva ou cinestésica?

É a terapia do olfato, um tratamento natural que utiliza as propriedades curativas presentes nas moléculas químicas dos óleos essenciais, responsáveis por produzirem o perfume das plantas aromáticas.

Parte integrante da medicina alternativa, a aromaterapia existe há mais de seis mil anos, tendo sido ativamente praticada nas antigas civilizações da Grécia, Roma e Egípcio. Aliás, o médico egípcio Imhotep recomendava o uso de óleos com fragrâncias no banho, nas massagens e, claro, no embalsamento dos mortos.

A Aromaterapia é usada popularmente na Europa há mais de 80 anos. É também praticada por médicos, enfermeiros e outros profissionais da área da saúde para o tratamento de disfunções orgânicas.

Aplicada no dia a dia, é uma forma agradável de manter a saúde e beleza do seu corpo, proporcionando bem estar familiar e profissional. Transforma os pequenos rituais diários de cuidados com o corpo em momentos de prazer e relaxamento, colocando todo o encanto da Natureza em sua companhia.

Tem servido como um importante apoio a tratamentos tradicionais de saúde e na cosmetologia, por sua eficácia e facilidade de utilização.

Um dos cinco sentidos, o nosso poder de cheirar é, em si só, extremamente potente, com efeitos curiosos. Por exemplo, um certo aroma pode despertar memórias de infância bem guardadas ou o cheiro de determinado alimento pode abrir o apetite a uns ou provocar náuseas a outros. Quando inalamos óleos essenciais, as nossas células olfativas são estimuladas e esse impulso é encaminhado para o sistema límbico – o centro emocional do cérebro – ligado à memória, à respiração, à circulação sanguínea e às hormonas. Na aromaterapia, as propriedades, a fragrância e os efeitos dos óleos essenciais estimulam estes diferentes sistemas. Da mesma forma que a ligação estreita entre o olfacto e o cérebro desencadeia um efeito indirecto no sistema imunitário, que potência a capacidade do corpo de curar a si próprio. Enquanto medicina holística, a aromaterapia é uma forma de auto-cura porque incentiva o equilíbrio interno do organismo, mas também se manifesta ao nível físico uma vez que os óleos essenciais são conhecidos pelas suas poderosas ações revigorantes, anti-oxidantes, anti-bacterianas, anti-virais, anti-fungos, anti-inflamatórias, ansiolíticas e anti-espásticas.

Óleos essenciais

Os óleos essenciais utilizados na aromaterapia são extraídos de plantas, flores, raízes, folhas, sementes, ervas, madeiras e resinas e, posteriormente misturados com outras substâncias – caso do óleo, álcool ou loção – o que permite a sua utilização de forma prática. Executado por profissionais especializados, o método de extracção é um processo moroso e caro: são necessários 100 quilos de pétalas de rosas para produzir 5 colheres de chá de um óleo essencial! Um processo que também encarece o produto final, no entanto, e como se utilizam poucas gotas de cada vez e os efeitos são altamente eficazes, o investimento é considerado válido.

Benefícios físicos, emocionais e espirituais da Aromaterapia

Escolhidos os óleos essenciais apropriados (sendo, por isso, importante procurar sempre um profissional de aromaterapia), os benefícios são mais que muitos e sentem-se a diversos níveis.

  • Mente – tratamento de cansaço mental, stress, tensão, certas fobias, insónias e outras perturbações do sono; aumento dos níveis de concentração, memória e produtividade.
  • Corpo – as propriedades anti-bacterianas dos óleos essenciais auxiliam na cicatrização de feridas externas; atuam no melhoramento da circulação sanguínea, na drenagem linfática e na eliminação das toxinas do corpo; tratamento de doenças de pele, perturbações digestivas, desequilíbrios hormonais, dores musculares e de articulações; aumento dos níveis de energia e bem-estar geral.
  • Estado emocional – os óleos essenciais também podem funcionar como um anti-depressivo potente, ajudando a acalmar e a aliviar estados de nervosismo, tristeza, pânico, ansiedade e de depressão; aumento dos níveis de auto-estima e de auto-confiança.
  • Estado espiritual – a aromaterapia também é utilizada para aumentar os níveis de consciência, percepção e de comunhão com forças maiores, sendo ainda parte integrante na prática da meditação.

A cromoterapia é a ciência que estuda as cores e sua ação energética como um meio terapêutico. Neste sentido, o que ela faz é utilizar a frequência luminosa para conseguir equilibrar a saúde física, mental e espiritual, deixando uma sensação de bem-estar.

Na cromoterapia, são utilizadas as  sete cores do espectro solar. São elas: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta. A técnica foi reconhecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como uma terapia alternativa capaz de ajudar as pessoas e diminuir os sintomas da enxaqueca.

Através da cromoterapia é possível equilibrar algumas emoções e sentimentos. Isso porque com a técnica podemos alinhar os principais pontos energéticos do corpo, ou seja, os Chakras. E assim podem-se amenizar sensações de tristeza e melancolia e até medos.

A exposição de uma cor em nosso corpo se transforma em frequências vibracionais que tem consequência em nossas emoções. Outras técnicas atuam juntamente com a cromoterapia na Terapia Sinestésica como aromaterapia, musicoterapia  massagem e reiki.

Benefícios da cromoterapia
  • Diminui o cansaço físico;
  • Proporciona sensação de bem-estar;
  • Melhora a circulação sanguínea;
  • Diminui a enxaqueca;
  • Estimula o sistema nervoso central;
  • Melhora a qualidade do sono.

 

reiki

Reiki é uma técnica japonesa para redução do estresse e relaxamento que promove a cura. É transmitido através da “imposição de mãos” e baseia-se na ideia de que uma “energia vital” invisível flui através de nós e é o que nos faz estarmos vivos. Se o nível de “energia vital” está baixo, ficamos mais propensos às doenças ou mais estressados. Se estiver alta, somos mais capazes de nos sentirmos felizes e saudáveis.

reiki

Para entender o que é Reiki, devemos entender o significado de seu nome. A palavra Reiki é composta de duas palavras japonesas: Rei – “sabedoria divina ou o poder superior” – e Ki – “energia vital”. Acredita-se então que Reiki é a energia vital espiritualmente guiada.

Em um tratamento, o paciente sente como se um maravilhoso fluxo de energia positiva passasse através e ao redor de seu corpo. O Reiki trata a pessoa como um todo, incluindo corpo, emoção, mente e espírito, criando muitos efeitos benéficos que incluem relaxamento, um profundo sentimento de paz, segurança e bem-estar. Muitos relataram sobre seus resultados milagrosos.

Reiki é um método simples, natural e seguro de cura espiritual e melhora que todos podem usar. Tem se mostrado eficaz na cura de, praticamente, todas as doenças conhecidas e cria efeito benéfico. Pode ser usado também em conjunto com todos os outros tratamentos médicos ou terapêuticos para aliviar efeitos colaterais e promover recuperação mais rápida. Não há nenhuma contraindicação.

Uma técnica extremamente simples de aprender, a capacidade de usar o Reiki não é ensinado no sentido usual, mas transferida para o aluno durante sua iniciação no curso de Reiki. Essa habilidade é passada por um mestre Reiki e permite ao aluno explorar um suprimento ilimitado de “energia vital” para melhorar sua saúde e qualidade de vida.

Seu uso não dependente de sua capacidade intelectual ou seu desenvolvimento espiritual e, portanto, está disponível para todos. Esse método tem sido ensinado e transmitido, com muito sucesso, para milhares de pessoas, de todas as idades e origens.

Apesar de o Reiki ser de natureza espiritual, não é uma religião. Não tem nenhum dogma e não há nada em que se deva acreditar a fim de receber, aprender ou usar Reiki. Na verdade, Reiki não é dependente de crença e vai fluir da mesma forma, crendo em sua força ou não. Experimente e sinta !

Como o Reiki vem do Universo, muitas pessoas acham que seu uso os coloca em contato com a experiência de sua religião ao invés de ter apenas um conceito intelectual dela, mas esta é só uma forma de olhar esta energia e entender o que é o Reiki.

O Reiki é de natureza espiritual, mas não religiosa, ele não tem nem ensina nenhum dogma e seus praticantes não precisam acreditar em nada para aprender a usá-lo ou recebê-lo. Em fato, Reiki não depende de crença, fé ou religiosidade para fazer efeito.